sexta-feira, 28 de novembro de 2014

COMEÇA HOJE CAMPANHA PARA VACINAR ANIMAIS

Durante os próximos 30 dias, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizam a Campanha de Vacinação Antirrábica Animal 2014 em 3 mil postos. Neste ano, nenhum caso de raiva foi constatado em cães ou gatos de todo o Estado. No entanto, foram registrados 24 casos da doença em animais silvestres.
A meta da campanha, que vai até o dia 29 de dezembro, é deixar 1.711.481 cães e gatos imunizados contra a raiva nos 184 municípios cearenses. Desse total, 1.128.708 cães e 582.773 gatos. Somente em Fortaleza, devem ser vacinados 310.300 animais.
Segundo a assessora técnica responsável pelo Programa da Raiva da Sesa, Naylê Francelino Holanda Duarte, o objetivo principal da campanha é imunizar os animais contra a raiva para que eles não adoeçam e passem a enfermidade para os humanos.
"Hoje, no Ceará, os casos estão bastante controlados. Tanto que desde o ano de 2003 houve uma redução significativa e, até agora, em 2014 não foram registrados casos da doença em gatos e cachorros", explicou a assessora técnica.
As pessoas podem ser infectadas com a doença por mordida, lambida ou arranhão de um animal infectado. Se a pessoa chegar a adoecer o risco de morte é de 100%, disse ela. "A principal prevenção é a vacina. Pois, assim não vamos por os humanos em risco", completou.
De 2005 a 2012 foram confirmados cinco casos de raiva humana, no Ceará, de acordo com a Secretaria da Saúde. Em apenas um caso a transmissão foi através de cão. Os outros quatro foram transmitidos por meio de soins em São Luis do Curu, no ano de 2005, em Camocim no ano de 2008, em Ipu, em 2010, e em Jati, no ano de 2012. O único registro de caso de raiva provocado por um cão ocorreu no município de Chaval, em 2010.
Por isso, Naylê recomenda que qualquer pessoa agredida por um animal mamífero deve ser acolhido por um centro médico para que possa fazer exames e, dessa forma, saber se vai precisar da vacina ou não.

Comportamento
Entre os sintomas da enfermidade, entre os bichos, estão a mudança de comportamento, medo de luz, não come e nem bebe, baba em grande quantidade, e olhos vermelhos. Depois, o animal passa para a fase furiosa, onde ataca as pessoas e se mutila. Na última fase ele fica paralítico e depois acontece o óbito.

Mais informações:
Para saber a localização do posto mais próximo de sua residência para levar o cão ou gato, o dono do animal deve ligar para a ouvidoria da Secretaria da Saúde, que atende pelo número 0800 275 1520.

Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários desse Site são de Total Responsabilidade do Visitante !
Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria, caso contrario será excluído.