segunda-feira, 15 de maio de 2017

Além de proteger o coração, alho pode ajudar na redução do colesterol

Um onipresente ingrediente da culinária brasileira tem ganhado cada vez mais espaço no rol de indicações dos médicos. Pesquisas comprovam que os efeitos benéficos do alho para a saúde vão além da redução do colesterol e da prevenção de ataques cardíacos: ele tem propriedades bactericida, antifúngica e antivirótica. Segundo especialistas, ele parece até exterminar bactérias resistentes a antibióticos, pelo menos em testes de laboratórios, pelo menos em testes de laboratório.

A maior parte de seu potencial contra doenças vem de seus compostos sulfúricos, que agem com antioxidantes, fornecendo muitos dos seus benefícios cardiovasculares.
Segundo constatação feita por pesquisa realizada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), as espécies brasileiras deste ingrediente são ainda mais potentes. Os estudos — feitos pela estatal e por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) — comprovaram que um composto ativo do alho nas espécies brasileiras, chamado alicina, pode reduzir o colesterol e diminuir os riscos de infarto agudo no miocárdio.

Os pesquisadores usaram duas espécies brasileiras e uma chinesa de alho para a realização do estudo. Substâncias químicas e físicas da hortaliça foram aplicadas em cobaias.

Os resultados da pesquisa revelaram que a alicina do alho brasileiro teve efeitos benéficos em ratos que possuíam altas taxas de colesterol. Os efeitos do alho para os seres humanos ainda precisam ser aprofundados.

De acordo com o pesquisador Celso Moretti, a dosagem para pessoas ainda não foi definida porque a pesquisa em humanos é mais complexa. Para ele, o importando é o uso do alho brasileiro no trabalho.

— Já há estudos com pasta de alho que comprovaram efeitos similares, mas essa é a primeira vez que se trabalha com alho nacional. A gente quer mostrar que o alho nacional pode ser tão bom quanto ou melhor que o alho chinês — afirma.
Os benefícios da suplementação.

Outro estudo — este publicado na revista Clinical Nutrition — demostrou os efeitos do extrato de alho no sistema imunológico, na incidência de gripes e resfriados. Foram avaliados 120 indivíduos de entre 21 e 50 anos, que receberam 2,5g de extrato de alho, em capsula, por dia. Após 45 dias de suplementação, os pesquisadores observaram o aumento da proliferação de alguns tipos de células de defesa, mas o extrato de alho não diminui a incidência de gripes e resfriados, apenas reduziu a gravidade dos sintomas (21%) e o número de dias com sintomas (61%), com isso houve menor impacto na capacidade de realizar tarefas cotidianas (58%).

Porém, são poucas as pessoas que utilizam o alho in natura no seu dia a dia. Um dos principais motivos é o cheiro forte que fica nas mãos após a sua manipulação. Uma das alternativas é a suplementação com as cápsulas de alho que já vêm desodorizadas, ou seja, não provocam mau hálito. Os benefícios para a saúde, segundo os especialistas, são os mesmos.

— Estudos realizados com alho e seus componentes tem demonstrado seu efeito sobre os níveis de colesterol HDL (o colesterol bom), no metabolismo dos carboidratos e lipídios, além de ter ação antibacteriana — explica a farmacêutica Silvana Montagna, da Stem Pharmaceutical, uma das empresas que fabricam a opção de cápsulas sem odor.
Curiosidades.

– O alho teve suas propriedades antissépticas primeiro demonstradas pelo químico francês Louis Pasteur — e essas tiveram um largo uso durante a Primeira Guerra Mundial, em soldados feridos. Muito antes, os egípcios já davam alho para seus escravos.
– O hálito provocado pelo alho é culpa dos compostos sulfúricos, que também são responsáveis pela maioria dos seus poderes curativos.

– Seis ou mais dentes de alho por semana podem reduzir à metade o risco de câncer de cólon, estômago e próstata.

– O alho produz seus compostos químicos curativos apenas quando os dentes são picados, amassados, socados ou mastigados, ou quando é “atacado” de alguma forma, o que deflagra a quebra dos compostos sulfúricos dentro das células. Uma dica é picar ou socar o alho e deixar descansar por 10 minutos para liberar totalmente o seu potencial da cura.

– Quando for comprar o alho, verifique se seus bulbos estão macios e firmes.
– Guarde num recipiente aberto, em local fresco e bem ventilado, por até dois meses. Não coloque em geladeira.

Fonte: O Poder de Cura dos Alimentos (Reader’s Digest, 2011), Embrapa e Agência Fapesp
Ingredientes-chave
:: Cobre
:: Ferro
:: Zinco
:: Magnésio
:: Germânio
:: Selênio
*O recomendado é o consumo de um dente de alho por dia

0 comentários:

Postar um comentário

Os Comentários desse Site são de Total Responsabilidade do Visitante !
Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria, caso contrario será excluído.