segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Ministro da Saúde fala em abrir postos públicos para atendimentos à noite

Divulgação
O novo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse em seu discurso de posse, nesta quarta-feira (2), que pretende criar um terceiro turno de atendimento nos postos de saúde do país. A ideia é que os postos públicos também abram à noite para atender quem trabalha durante o dia e tem dificuldades de passar por consultas nesse período. "É preciso ter um terceiro turno nos postos de saúde. Vamos correr atrás", afirmou sem citar prazos para a implantação da medida.

Segundo o novo ministro, a atenção básica, primeiro nível de atendimento e que inclui a prevenção, será a prioridade da gestão. "Meu compromisso com a atenção básica é integral", disse Mandetta.

A atenção básica contará com uma secretaria dentro da pasta. O ministério também terá uma secretaria voltada para a média e alta complexidade hospitalar.

Ele usou cerca de 30 minutos de sua fala para contar sua trajetória de vida como médico e político. Eleito deputado federal pelo Mato Grosso do Sul em 2010 e 2014, o ministro é ortopedista pediátrico.

"Não se chega a um cargo de tamanha responsabilidade sem ter um compromisso muito grande com a família, com a fé, com a pátria", declarou. "Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro [PSL] por ter me confiado essa tão nobre missão."

O novo ministro disse que Bolsonaro demonstrou humildade ao lhe procurar, na campanha, para pedir sugestões na área de saúde. Mandetta elogiou o fato de o representante do PSL ter incluído no plano de governo a proposta de criação de uma carreira de médico de Estado.

O presidente não compareceu à cerimônia, mas estiveram presentes os ministros Tereza Cristina (Agricultura), Osmar Terra (Cidadania) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

Mandetta citou Damares ao anunciar que pretende mudar a estrutura da saúde indígena, que, segundo ele, é improvisada e não apresenta bons indicadores. "Vamos discutir com a ministra Damares a restruturação da saúde indígena".
Auditório lotado

O auditório do Ministério da Saúde ficou lotado para a transmissão de cargo de chefia da pasta. Apenas sete cadeiras foram reservadas para a imprensa, e uma parte dos jornalistas foi colocada em uma sala com TV. Segundo a assessoria, o cerimonial havia orientado que ninguém poderia ficar em pé durante a solenidade.

Porém, minutos antes do início da cerimônia, foi sugerido que os profissionais de imprensa que assim desejassem poderiam ficar em pé ao fundo do auditório.
Prevenção sem "ofensa"

Na última segunda-feira (31), Mandetta afirmou em entrevista à "Folha de S.Paulo" que o governo precisa voltar a estimular a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, como o HIV. Por outro lado, disse que é necessário ter cuidado na formulação de políticas públicas para não ofender as famílias.

"Vamos ter que ver a maneira como isso se dá sem ofender aqueles que entendem que isso possa ser uma invasão do Estado no seu ambiente familiar."

Na entrevista, ele também falou sobre a reorganização do atendimento na atenção básica. "O SUS se municipalizou de forma muito irrestrita, deixando alguns municípios sem condições técnicas e pessoal suficiente para fazer a gestão desse sistema. Precisamos repensar os direitos sanitários brasileiros. Vamos criar a secretaria nacional de atenção básica, e ali criar as políticas de recursos humanos e discutir como lotar médicos em locais de difícil provimento", declarou à Folha.
Terceiro ministro do DEM

Médico ortopedista e deputado federal eleito em 2010 e reeleito em 2014, Mandetta decidiu não disputar o pleito em 2018. Durante o ano, ele esteve mobilizado na campanha do governador eleito em Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

Logo após o segundo turno, o parlamentar chegou a viajar ao Rio de Janeiro para reuniões com Bolsonaro na casa dele, na Barra da Tijuca, na zona oeste carioca. Ele foi o terceiro ministro do DEM anunciado pelo presidente eleito em outubro --antes já haviam sido confirmados Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Tereza Cristina (Agricultura).
Investigação

A aposta em Mandetta gerou críticas a Bolsonaro logo que o nome do deputado sul-mato-grossense foi cotado para o cargo. Isso porque ele é investigado por fraude e tráfico de influência. Antes de se tornar deputado federal em 2010, Mandetta foi secretário de Saúde da gestão do prefeito Nelson Trad Filho, então no MDB, em Campo Grande (MS). Tanto o ex-prefeito quanto Mandetta foram acusados de serem beneficiados em licitações realizadas pelo município para contratar os serviços do software Gisa (Gerenciamento de Informações Integradas da Saúde).

A investigação foi instaurada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) e desenrolada no STF (Supremo Tribunal Federal), por causa do foro privilegiado. O Gisa deveria ser um sistema de integração de dados, com informações dos pacientes e dos atendimentos do SUS (Sistema Único de Saúde), facilitando os trabalhos da administração pública.

"Inquérito [foi] instaurado em face do atual deputado federal Luiz Henrique Mandetta para apurar suposta prática de crime na contratação do Consórcio Telemídia & Technology Ltda. e da empresa Alert Serviços de Licenciamento de Sistemas de Informática para a Saúde Ltda., em troca de favores pessoais relativos à sua campanha política no pleito de 2010", diz o processo.

Em agosto deste ano, no entanto, o ministro Luiz Fux mandou o processo para sua vara de origem, na Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, alegando que crimes praticados antes do mandato devem ser julgados na primeira instância, conforme decisão do próprio STF.

No âmbito civil, o MPF (Ministério Público Federal) também acusou Mandetta, o ex-prefeito Trad Filho e outras 24 pessoas de fraudes na implantação do Gisa na Prefeitura de Campo Grande. De acordo com a denúncia do MPF, a empresa vencedora da licitação teria tido informações privilegiadas sobre o processo. Na ação, o MPF pede ressarcimento de mais de R$ 8 milhões devido aos prejuízos causados.


Fonte: Uol

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários desse Site são de Total Responsabilidade do Visitante !
Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria, caso contrario será excluído.