quarta-feira, 13 de março de 2019

Ceará cria 23 mil empregos com carteira assinada em 2018

Resultado de imagem para emprego
Em 2018, o Ceará criou 23.007 empregos formais (com carteira assinada), resultado positivo em comparação ao verificado em 2017, quando houve um recuo de 2.450 vagas. O desempenho do ano passado colocou o Estado na oitava posição na geração de empregos entre os 26 estados e o Distrito Federal. No Nordeste, o Ceará ficou em segundo lugar, atrás apenas da Bahia, que ocupou a quinta colocação no ranking nacional.


O país, em 2018, gerou 528.498 vagas, enquanto que em 2017 houve diminuição de 11.964 postos formais. Esses e muitos outros dados estão no Ipece/Informe (nº 147 – março/2019) – Análise do Desempenho do Mercado de Trabalho Formal Cearense em 2018 -, publicado hoje pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado.

O documento, ao analisar o mercado de trabalho no Brasil, mostra que, em 2016, apenas um estado havia registrado saldo positivo de empregos. Já em 2017, esse número passa para 16; chegando depois a 23 em 2018, o que revela recuperação no mercado de trabalho nacional. Os cinco maiores saldos positivos para o acumulado até dezembro de 2018 foram observados nos estados de São Paulo (+145.805 vagas); Minas Gerais (+81.549 vagas); Santa Catarina (+41.708 vagas); Paraná (+40.651 vagas) e Bahia (+29.046 vagas). A soma conjunta desses cinco estados foi de 481.757 vagas, participando com 66,9% do saldo positivo do país. Quatro estados apresentaram destruição de vagas de trabalho no acumulado do ano de 2018: Alagoas (-3.738 vagas); Roraima (-293 vagas); Sergipe (-149 vagas) e Acre (-123 vagas).


O autor do trabalho, o analista de Políticas Públicas do Ipece, Alexsandre Lira Cavalcante, chama a atenção para o fato de, no último trimestre de 2018, apenas sete estados apresentarem saldo positivo de emprego, entre eles o Ceará. Ele afirma que, ao comparar o saldo de empregos gerados nos últimos três anos, “é possível notar que ambos os mercados de trabalho, nacional e local, registraram desempenhos, em 2018, bem melhor que aqueles observados nos anos de 2016 e 2017, revelando uma nítida recuperação do mercado de trabalho nacional e cearense. No entanto, a geração de empregos observada no último ano não foi capaz ainda de repor a destruição de vagas observada nos últimos dois anos.”

Dos oito setores analisados para o mercado de trabalho cearense (comércio; extrativista mineral; administração pública; serviços industrial utilidade pública; agropecuária, extrativista vegetal, caça e pesca; indústria de transformação e construção civil), nenhum registrou abertura de vagas em 2016. Mas esse número cresceu para quatro setores em 2017 e para seis em 2018, “revelando uma nítida trajetória desconcentrada de recuperação do mercado de trabalho estadual, acompanhando a mesma trajetória de restauração de vagas observada no país.” Os três setores que registraram os maiores saldos positivos no acumulado do ano de 2018 foram: Serviços (+15.810 vagas); Indústria de transformação (+3.832 vagas) e Comércio (+2.620 vagas). As perdas anuais foram observadas apenas nos Serviços Industriais de Utilidade Pública (-191 vagas) e na Agropecuária (-98 vagas).


Acesse aqui o IPECE Informe 147

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Comentários desse Site são de Total Responsabilidade do Visitante !
Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria, caso contrario será excluído.